Como Investir Dinheiro
Home » Ações » Circuit breaker, alta do dólar e queda do Petróleo, Pânico na Bolsa! O que fazer?

Circuit breaker, alta do dólar e queda do Petróleo, Pânico na Bolsa! O que fazer?

11 de março de 2020 - 16 views Circuit breaker, alta do dólar e queda do Petróleo, Pânico na Bolsa! O que fazer?

Em um dia de terror e pânico para todas as bolsas de valores espalhadas pelo mundo. A bolsa brasileira registrou queda superior a 12%, acionando um mecanismo de segurança conhecido como circuit breaker.

Neste artigo vamos explicar em detalhes para você tudo o que está acontecendo com o mercado de investimentos, aqui você entenderá o que significa o Circuit Breaker e também os principais fatos e acontecimentos que estão levando os investidores a loucura, como a alta do dólar o Coronavírus e a guerra de preços do barril de petróleo.

A queda da Bolsa de Valores

No dia 09 de março a Bovespa despencou 12,17%, chegando a 86.067 pontos a maior queda percentual diária desde 1998. O dia foi de grande tensão em todos os mercados mundiais e não somente aqui no Brasil.

Acompanhando outras Bolsas, como a da china, a bolsa brasileira registrou forte queda logo em sua abertura, o índice despencou 10,02% recuando ao patamar de 88.178 pontos e provocou a interrupção das negociações, através do circuit breaker.

Algumas empresas registraram grande desvalorização, devido a este fenômeno de mercado, dentre elas a Petrobras que chegou a registrar uma desvalorização em seus papeis de R$ 91 bilhões em valor de mercado.

Pelas regras definidas pela B3, quando a queda repentina da bolsa passa de 10% é acionado automaticamente o circuit breaker, um mecanismo de segurança que interrompe as negociações de papéis por 30 minutos, visando prejuízos maiores. A última vez que o mecanismo tinha sido acionado na bolsa brasileira foi no dia 18 de maio de 2017, em meios aos escândalos de corrupção envolvendo a JBS.

O que causou a queda da Bolsa de Valores e o acionamento do Circuit Breaker?

queda-da-bolsa-de-valores-12%

O mercado de investimentos já estava com um alerta ativado em virtude dos efeitos mundiais causados pela Coronavírus, sobretudo em relação a paralisação das atividades em muitas fábricas e empresas na china, além da redução das exportações no país.

Os efeitos do Coronavírus já causavam os primeiros reflexos no mercado financeiro, quando uma verdadeira bomba caiu sobre o mercado mundial. A Arábia Saudita uma das maiores produtoras de petróleo do mundo, notificou a redução em seus preços de venda dos barris de petróleo.

O anúncio ocorreu em virtude de uma guerra de preços entre a Arábia Saudita e a Rússia, que também é uma das maiores produtoras de petróleo do mundo.

O barril do petróleo Brent despencou de 24,10%, a US$ 34,6. Já o barril do petróleo WTI registrou baixa de 24,6%, a US$ 31,13. A queda considerável fez as bolsas de valores ao redor de todo o mundo despencar e o preço do dólar disparar, fechando o dia a R$ 4,72.

É importante destacar que o preço do barril de petróleo já estava em um período de baixas devido ao avanço na epidemia do coronavírus. Desta forma, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) sugeriu em uma reunião realizada na sexta-feira (6), uma diminuição na produção mundial de petróleo, com o objetivo de estabilizar o preço do da commodity.

Para aceitar esta proposta a Arábia Saudita, exigia que a Rússia, que atualmente não faz parte da Opep também colaborasse. No entanto, a Rússia anunciou que era contra a medida e que, portanto, não reduziria a sua produção, fazendo com que a Arábia Saudita reagisse neste domingo, anunciando uma redução no preço de venda do barril de petróleo, além de um aumento significativo de sua produção a partir do mês de abril. A guerra comercial foi o bastante para gerar um verdadeiro colapso nas bolsas mundiais, fazendo as suas cotações despencaram.

Após estes fatos, os economistas e analistas financeiros ainda estudam o comportamento do mercado financeiro, sendo muito prematuro qualquer definição em relação a estabilização e retomada do crescimento das principais bolsas mundiais, dentre elas a Bovespa.

É preciso acompanhar atentamente os próximos passos do mercado e sobretudo um possível acordo entre os países, tendo em vista que esta queda brusca nos valores do barril de petróleo não será benéfica para nenhum dos lados.

Quais os impactos desta guerra comercial sobre a Petrobras?

circuit-breaker-2020

A Petrobras foi a empresa mais afetada na Bolsa de Valores brasileira pelo anúncio na redução dos preços do petróleo por parte da Arábia Saudita.

Em nota, a Petrobras afirmou que “monitora o mercado e segue com seu plano estratégico que prepara a companhia para atuar com resiliência em cenários de preços baixos”.

“A Petrobras avalia que ainda é prematuro fazer projeções sobre eventuais impactos estruturais no mercado de óleo e gás associado à recente e abrupta variação nos preços do petróleo dado que ainda não está claro nem a intensidade ou mesmo a persistência do choque nos preços”.

A redução do valor comercial do barril de petróleo afeta diretamente as empresas petrolíferas ao redor do mundo, assim como a Petrobras que acaba se vendo obrigada a reduzir os seus preços para garantir sua competitividade, reduzindo a sua margem de lucro.

No último balanço divulgado a Petrobras demonstrou que está se recuperando e aportou altos lucros, no entanto, o receio de investidores pelo retorno de números negativos por parte da companhia, ligado a esta crise mundial no mercado petrolífero, levou um grande número de investidores a vender suas ações, contribuindo para a queda abrupta de  R$ 91 milhões no valor de mercado da Companhia, puxando a Bovespa para baixo e acionando o Circuit Breaker.

Alta desenfreada do dólar, o que está acontecendo?

alta-do-dolar

Na última segunda-feira, enquanto o mercado estava em um verdadeiro colapso, com a queda do preço nos barris de petróleo, a moeda norte-americana avançou 2,03%, fechando o dia a R$ 4,7282. Somente neste ano, o dólar já acumula alta de 17,92%.

Segundo Ricardo Gomes da Silva superintendente da Correparti Corretora em uma entrevista à Reuters “O mundo está de pernas para o ar.” “O movimento do real acompanha o exterior em meio a uma crise de confiança generalizada.”

Em uma tentativa de minimizar a forte alta do dólar o Banco Central vendeu US$ 3,465 bilhões em moeda spot, o maior volume desde 11 de maio de 2009.

“Este movimento turbulento, influenciado principalmente pelo avanço do coronavírus, tende a regredir com o tempo e com a chegada da primavera no hemisfério norte, alcançando uma cotação em um patamar mais aceitável, em torno de R$ 4,10 — tendo como base os fundamentos da nossa economia, aliados a uma previsão de crescimento menor do que o esperado”, disse o chefe da mesa de câmbio da Frente Corretora, Fabrizio Velloni.

Responder de forma precisa o que tem levado o dólar a subir de forma tão acelerada, não é uma tarefa simples. Este fenômeno vem ocorrendo em virtude de diversos fatores de grande impacto para o mercado mundial, sobretudo o receio de uma desaceleração do crescimento mundial em virtude do coronavírus e agora também por causa da guerra de preços no mundo petrolífero.

Como ainda não existem respostas concretas sobre o controle no avanço do coronavírus e seus impactos sobre a economia mundial, os investidores buscam uma defesa contra possíveis resultados negativos e desaceleração do crescimento, investindo em uma moeda forte e com estabilidade, como é o caso do dólar.

Acompanhe o movimento do dólar, em tempo real, clicando aqui.

Circuit Breaker e Pânico na Bolsa de Valores. O que fazer?

Apesar do momento de pânico no mercado financeiro e do acionamento do circuit breaker, os investidores não devem entrar em desespero, vendendo os seus investimentos a todo o custo, em um verdadeiro efeito dominó, em virtude das notícias negativas que afetam o mercado.

Na verdade, recomenda-se na maioria dos casos que os investidores mantenham as suas posições em termos de investimentos. Vender ações, fundos imobiliários ou outros papéis em um momento de queda acentuada do mercado não é uma boa opção e pode gerar grandes prejuízos.

Podemos utilizar as ações da Petrobras, como um ótimo exemplo para este assunto. Há poucos dias atrás os papéis da companhia eram negociados em cotações que giravam próximo aos R$ 30 reais. Após o anúncio na redução dos preços do petróleo feito pela Arábia Saudita, as ações da empresa despencaram para valores que circulam a casa dos R$ 17 reais, uma considerável desvalorização!

É preciso que o investidor entenda, que ao vender as suas ações neste momento em uma atitude de desespero pode gerar prejuízos gigantescos. Vale destacar, que enquanto muitos vendem suas ações, outros investidores aproveitam a baixa nos preços para comprar os papéis aproveitando uma valorização futura.

Como toda crise, espera-se que os seus efeitos sejam momentâneos e que após a estabilização nos preços do petróleo e após o surto de coronavírus, as ações de companhias petrolíferas como a Petrobras voltem a subir e se estabilizar.

Continue por dentro dos principais fatos que ocorrem no mercado financeiro, em uma linguagem simples e descomplicada, acompanhando o Como Investir Dinheiro! Agora que você já sabe tudo que está acontecendo no mercado e nas bolsas de valores, levando ao acionamento do circuit breaker, não deixe de compartilhar nossa página com seus amigos.

Relacionados

3 comentários para “Circuit breaker, alta do dólar e queda do Petróleo, Pânico na Bolsa! O que fazer?

Deixe seu comentário

© 2022 - Como Investir Dinheiro