Como Investir Dinheiro
Home » Bancos » Bancos vão quebrar com a pandemia?

Bancos vão quebrar com a pandemia?

2 de junho de 2020 - 37 views Bancos vão quebrar com a pandemia?

Se você possui investimentos ou uma boa soma em dinheiro em algum banco brasileiro possivelmente já se perguntou ou procurou a ajuda de um especialista para entender se os bancos vão quebrar na pandemia.

Essa é uma daquelas perguntas que só aparecem em épocas de pandemia e grande instabilidade econômica, afinal todos nós sabemos que os bancos são em sua grande maioria instituições financeiras sólidas. No entanto, será que alguns bancos vão quebrar com a pandemia? Quais seriam as consequências de um acontecimento como esse?

Para descobrir se os bancos realmente podem quebrar com a pandemia e o que aconteceria com os seus investimentos e o dinheiro em conta, no caso da quebra do seu banco, acompanhe este artigo até o final!

Os bancos podem quebrar com a pandemia?

Essa é a primeira pergunta que precisamos responder à cerca deste tema. Afinal, algumas pessoas acreditam que os bancos são reservas infinitas de dinheiro e que, portanto, jamais poderiam quebrar. No entanto, isso não é uma verdade.

É importante ressaltar, que inicialmente, um banco é uma empresa, logo eles também estão suscetíveis, a lucros, prejuízos e até mesmo a falência.

Apesar de também estarem sujeitos a falência, é muito difícil que isso aconteça, principalmente nos maiores bancos que atualmente operam no Brasil, como o Itaú, o Bradesco, o Santander e os bancos ligados ao Governo Federal, como o Banco do Brasil e a Caixa Econômica.

Caso algum banco venha a quebrar com a pandemia, é mais provável que isso aconteça com bancos pequenos, com pouca expressão e influência sobre o mercado e que de alguma forma já passavam por dificuldades.

Bancos que entraram em liquidação extrajudicial recentemente no Brasil

Os casos mais recentes de instituições financeiras que quebraram no Brasil, são os casos do banco Néon e da Dacasa Financeira, ambos antes das consequências causadas pela pandemia.

O Banco Neon

banco-neon

 

Em 2018, o Banco Central decretou a liquidação extrajudicial do banco Neon, levando muitos correntistas e investidores ao desespero.

A liquidação do Neon foi decretada após o Banco Central constatar que a situação financeira do banco estava comprometida e por encontrar algumas violações graves em relação às normas que as instituições financeiras devem observar para operar no Brasil.

A Dacasa Financeira

dacasa-financeiraUm caso mais recente, mas que também não está relacionado a pandemia é o da Dacasa Financeira, que trabalhava ofertando ao mercado crédito pessoal e consignado e captava recursos no mercado através de Recibos de Depósito Bancário – RDB e Letras de Câmbio – LC.

Ao anunciar a liquidação extrajudicial da Dacasa o Banco Central informou que constatou uma grave situação patrimonial e graves violações às normas legais que disciplinam a atividade da instituição, assim como a existência de prejuízos que submetem os seus credores a um risco anormal.

LEIA TAMBÉM: Quais as Melhores ações para comprar pós crise ?

Bancos vão quebrar? O que aconteceria?

Como falamos anteriormente, é muito difícil que grandes bancos venham a quebrar devido a pandemia, sendo mais provável que isso aconteça com bancos médios e pequenos.

Bancos vão quebrar? Para tranquilizar o mercado, quando questionado sobre o assunto recentemente, o Presidente do Banco Central Roberto Campos Neto, descartou essa possibilidade, veja trechos da sua fala:

“Temos um sistema bem provisionado, com boa liquidez e capital sobrando. Nenhuma instituição financeira hoje tem Índice de Basileia* abaixo ou perto do recomendado (8%). Ainda não precisamos socorrer nenhuma instituição.”

Vale destacar que o índice de Basileia é um parâmetro utilizado para identificar o grau de risco quanto a insolvência ou falência de uma instituição financeira.

No entanto, mesmo que um banco quebre, seus investidores e clientes estão garantidos pelo FGC – Fundo Garantidor de Crédito, até o limite de R$ 250 mil por CPF e por conta e, portanto, seriam rapidamente ressarcidos.

O que é o Fundo Garantidor de Crédito? Como ele funciona?

fundo-garantidor-de-crédito

O Fundo Garantidor de Crédito – FGC é uma associação civil sem fins lucrativos que tem como objetivo prestar garantia de créditos aos clientes das instituições financeiras autorizadas a funcionar pelo Banco Central.

O fundo é formado pelo depósito mensal realizado pelas instituições financeiras de 0,0125% do total dos valores negociados em produtos e investimentos com cobertura do FGC.

Veja os itens cobertos pelo FGC:

  • Poupança
  • CDB – Certificado de Depósito Bancário;
  • RDB – Recibo de Depósito Bancário;
  • LCI – Letras de Crédito Imobiliário;
  • LCA – Letras de Crédito do Agronegócio;
  • LC – Letras de Câmbio;
  • LI – Letras Imobiliárias;
  • LH – Letras Hipotecárias.

LEIA TAMBÉM: Informe de rendimentos INSS: Como consultar?

O FGC pode quebrar, o que aconteceria?

Você chegou até este artigo tentando descobrir se os bancos vão quebrar e o que aconteceria em um cenário como esse. Até aqui, você já descobriu que dificilmente os grandes bancos vão quebrar, sendo mais provável que isso ocorra em bancos pequenos.

Você também teve acesso a uma declaração do presidente do Banco Central, afirmando que os bancos brasileiros não vão quebrar em virtude da crise.

Por último você descobriu que mesmo que um banco quebre, seus investidores e correntistas estariam protegidos por um fundo especial, o FGC até o limite de R$ 250 mil por instituição financeira e por CPF.

Diante de tudo isso, você deve está se perguntando, mas e se o FGC quebrar o que aconteceria?

Antes de responder essa pergunta precisamos tranquilizar você. Se já era difícil considerar que um grande banco quebre, é ainda menos provável a falência do FGC.

Segundo o último balanço divulgado o FGC possuía em dezembro de 2019 R$ 80,6 bilhões em termos patrimoniais, sendo que R$ 54,6 bilhões são numerários em caixa ou então que podem ser rapidamente convertidos para recursos em caixa.

Considerando toda a sua história, o FGC não chegou nem mesmo perto desse valor em termos de ressarcimento a correntistas e investidores. Além disso, precisamos considerar que 99,7% das contas bancárias do Brasil possuem menos do que R$ 250 mil aplicados.

Logo, para que o FGC quebre vários bancos precisam quebrar ao mesmo tempo, um cenário altamente desastroso e que mesmo com a pandemia não passa nem perto da realidade.

Conclusão

Se você estava preocupado e querendo saber se realmente os bancos vão quebrar com a pandemia, chegou ao final deste artigo mais tranquilo, reconhecendo que as possibilidades para que isso aconteça são pequenas.

Além disso, se ainda não conhecia passou a conhecer o FGC – Fundo Garantidor de Crédito, que tem por objetivo oferecer maior segurança ao mercado e aos clientes e investidores.

Para ficar sempre por dentro dos principais fatos do mercado financeiro, continue acompanhando o Como Investir Dinheiro, não deixe também de compartilhar nossos conteúdos em suas redes sociais!

Até a próxima!

Relacionados

Deixe seu comentário

© 2022 - Como Investir Dinheiro